Adoro assistir a um filme

Adoro assistir a um filme pela primeira vez, adoro assistir a um filme quando já sei as falas de cor – ao ponto de falar junto (mas a minha família não gosta, não sei porquê, rsrs).

Adoro assistir a um filme no cinema, adoro assistir a um filme em casa.

Adoro assistir a um filme com amigos, adoro assistir a um filme sozinha.

Adoro assistir a um filme quietinha, adoro assistir a um filme fazendo comentários.

Adoro assistir a um filme quando sei que vou ficar com a cara inchada de tanto chorar, adoro assistir a um filme quando sei que vou levar um tempo para digerir e esquecer o medo e a ansiedade que ele vai me causar.

Adoro assistir a um filme quando sei que a barriga vai doer de tanto rir, adoro assistir a um filme quando sei que ele vai me fazer suspirar.

Adoro assistir a um filme!

Image

Anúncios

Amor que transcende

Não consegui fazer a “maratona Oscar” antes da cerimônia, que aconteceu no último domingo, 24/02, mas dei o start ontem.

Fui assistir Les Miserables, e como é de costume quando me apaixono por um filme, hoje passei grande parte do meu tempo livre lendo e pesquisando sobre Les Mis. Ainda absorta em sua história e muito tocada pela beleza e história do filme (inspirado na obra homônima de Victor Hugo), li algumas críticas e uma delas prendeu minha atenção.

Escrita por Philip French para o jornal inglês The Guardian (li a versão on-line), foi o trecho a seguir que realmente me fez trazer a história e os temas nela apresentados para o contexto que vivo.

O parágrafo final diz:
“Above all else, perhaps, the film is about three things. First, love both sacred and profane, and its ability to transform and transcend. Second, our need to fight for change and social justice in a cruel world that resists revolution or too easily undermines and diverts it. Third, and above all, Les Misérables is about holding on to hope in the most desperate conditions, and it ends in the victory of love in a context of political defeat.”

“Acima de tudo, talvez, o filme é sobre três coisas. Primeiro, o amor ao mesmo tempo sagrado e profano, e sua capacidade de transformar e transcender. Em segundo lugar, a nossa necessidade de lutar por justiça social e mudança em um mundo cruel que resiste à revolução ou muito facilmente enfraquece e se desvia. Em terceiro lugar, e acima de tudo, Les Misérables é sobre se apegar à esperança nas condições mais desesperadas, e termina com a vitória do amor em um contexto de derrota política.

Vou seguir o a sequência dele raciocínio para o meu raciocínio.

1 – “O amor e sua capacidade de transformar e transcender.”

Não existe maior amor do que o de Deus por nós. Ele deu seu filho pra morrer em nosso lugar, mesmo sem pedirmos ou muito menos merecermos. É um amor que aceita sem julgar, sem pensar. Aceita como é, mas não deixa como está. Como sempre podemos melhorar, esse amor vai nos transformando dia a dia, à medida que nos permitimos ser amados e amamos – a nós mesmos, aos que estão ao nosso redor ou os que sequer conhecemos. Quando entendemos esse amor – ou chegamos perto disso -, ele nos faz transcender. E o próprio filme mostra isso. O personagem de Hugh Jackman, Jean Valjean, emana ódio quando é libertado da prisão, mas a compaixão do bispo que o abriga vira seu mundo de ponta cabeça, destruindo seus paradigmas e conceitos sobre o mundo e as pessoas. É um momento catártico e então ele está liberto para recomeçar sua vida.

2 – “A nossa necessidade de lutar por justiça social e mudança em um mundo cruel.”

O mundo tem se transformado cada dia mais num lugar cruel e as injustiças sociais estão à nossa volta, onde quer que formos. Nosso papel como cristãos é ser sal e luz nessa Terra, e entender nossa função como cidadãos faz parte disso. A Bíblia é muito clara e nos alerta que os dias serão maus e não melhorarão até a vinda de Jesus. Ao mesmo tempo, mesmo cientes de que as coisas não vão melhorar, a orientação do Senhor é clara como a água. “E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:2). O que significa isso? Que não devemos nos conformar com a injustiça, mas buscar alternativas para que o Amor seja revelado e transforme as vidas, as situações.

Se para defender um ideal muitos morrem – como acontece em Les Mis -, porque quando temos a oportunidade de falar sobre vida, amor e esperança nos calamos? É tempo de sair da zona de conforto, de assumir o posto e bancar suas ideias, opiniões e convicções. Mas mais que isso, é tempo de mostrar e falar pra todo mundo que existe um amor que transforma e transcende. Um amor que nos faz reviver e nos dá esperança.

3 – “Esperança nas condições mais desesperadas, e termina com a vitória do amor (…).”

Se a situação ou o contexto que enxergamos nosso mundo hoje são desesperadoras, podemos ter esperança de que o Amor vai vencer. Como? Quando Jesus foi crucificado e sepultado, ele ressuscitou ao terceiro dia. E ele subiu aos céu nos prometendo que prepararia um lugar para nós e voltaria para nos buscar. O dia e a hora são desconhecidos (alô 21/12/12 fail), mas ele disse que voltaria. Assim, quando conhecemos esse amor e somos transformados por ele, a esperança é natural. E não só a esperança. mas a fé, aquela certeza do que ainda não vemos.

“E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida. (…) Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus.”
Apocalipse 22:17 e 20

P.S.: a quem interessar possa, esse é o link para a a crítica completa –> http://www.guardian.co.uk/film/2013/jan/13/les-miserables-review-tom-hooper

Dia do Amigo

Há várias formas de se definir um amigo.

Pode-se dizer que são a família que nos permitiram escolher, que são aqueles com quem somos loucos, com quem podemos ser nós mesmos, com quem compartilhamos sonhos, desejos e segredos, com quem assistimos filmes debaixo do edredom comendo brigadeiro, com quem damos as melhores gargalhadas, com quem podemos chorar e não precisamos explicar, com quem conversamos pelo olhar…

Tem aquele amigo de infância, que apesar de ter tomado um rumo diferente, não há distância e tempo que diminua o amor. Tem aquele amigo da adolescência, com quem a gente vive experiências incríveis, histórias que serão contadas até para os netos (e aquelas que serão escondidas num baú). Tem os amigos da faculdade, que viram madrugadas e até viajam juntos para fazer trabalhos, que indicam pro chefe pra poderem trabalhar juntos, que tem mais uma coleção de histórias que serão contadas para os netos. Tem os amigos que fizemos numa viagem, num congresso, num acampamento, e que estão looonge, mas são muito especiais.

Tem os amigos que estão longe, mas sabem mais do que os que estão perto. Tem amigos que você conta tudo, tem amigos que você só conta algumas coisas, pois cada um é bom em um assunto. Tem os amigos que seus pais adoram, mas também tem aqueles que eles não suportam. Tem aqueles que te conhecem melhor do que você mesmo. Tem aqueles que sabem mais de você do que imaginam. Tem aqueles que te fazem admitir algo que você não gostaria.

“Quem encontrou um amigo, encontrou um tesouro”. E eu fui abençoada por encontrar vários tesouros. Mais importante do que ter joias, tô fazendo minha coleção de tesouros.  Em João 15.13, Jesus disse: “Ninguém tem amor maior do que este, de dar alguém a vida pelos seus amigos”. E podem ter certeza, meus amigos queridos, eu ficarei mais do que feliz em dar a minha vida por cada um de vocês, quantas vezes forem necessárias. E o primeiro por quem eu dou a minha vida, é aquele que já deu sua vida por mim, o  melhor amigo que alguém pode sonhar em ter: o próprio Jesus!

Tati

Inspirador

Tava passeando pelo blog da Farm hoje, o Adoro, e dei de cara com esse vídeo lindo da Redley, marca carioca com foco no lifestyle praiano, esportivo e  no conforto e praticidade de suas peças. Confesso que não conheço muito a marca, mas olha, depois do pequeno passeio por seu site e de assistir ao ourtos vídeos, tudo o que eu quero nesse fim de tarde lindo é me sentar à beira da praia e ficar só observando as ondas, ouvindo o barulho o mar e batendo papo com o Senhor.

Quero uma casa assim, com essa luz, esse espação todo e o cantinho pra fazer arte!

Quando é que as férias começam mesmo?

Desejo do dia: Lomo!

Só pra deixar registrado o que ando desejando muuuito: uma câmera analógica Lomo Diana F+, ou qualquer outro modelo de lomo (tem um monte!).

Pra contextualizar…

A Lomo foi criada em 1982, pelo comandante Michail Panfilowitsch Panfiloff, o Diretor da poderosa LOMO Russa Armas e Fábrica óptica, seguindo ordens do General Igor Petrowitsch Kornitzky, braço direito do Ministério da Defesa da URSS. Mas foi só em 1991, quando dois estudantes austríacos se maravilharam com os efeitos produzidos pela câmera – cores vibrantes, vinhetas que causavm cantos escuros e saturação – que a câmera ganhou popularidade e status de “estilo de linguagem artístico experimental fotográfica”. No ano seguinte, foi fundada a Sociedade Lomográfica Internacional (LSI) e publicadas as “10 Regras de Ouro da Lomograph” e logo depois foi realizada a primeira exposição lomográfica, onde mais de 700 LOMO LC-As foram vendidas e nasceu a Lomowall, um dos elementos mais marcantes da lomografia.

No ano passado a lomomania bombou. Novos modelos foram lançados, ganhou prêmios na Europa, e a fabricante se aventurou no mundo dos filmes, produzindo linhas completas nos formatos 35mm e 120mm, 10 grupos de fanáticos pela câmera fizeram a “Grande Corrida LC-A”, o website foi relançado com o objetivo de expandir a comunidade global de lomógrafos. A partir de então, foi ganhando mais e mais adeptos e vem fazendo o maior sucesso no Brasil.

Eu tô suuuper querendo uma (de cada, claro! rsrsrs) e já tô programando pra comprar.

Aqui no site tem a história tooda bem explicadinha, em forma de linha do tempo, Lomowalls, eventos, câmeras e toodos os detalhes dessa coisa fantástica que é a Lomografia.

E um teaser do que dá pra fazer com as Lomos:

Sweet 16

Em 23 de agosto de 1995 me tornei a irmã mais velha.

Sou muuuito grata ao Senhor por isso e é até difícil escrever algo sobre essa pessoinha, que hoje é quase uma mulher.

A amizade, a cumplicidade, a parceria são uma delícia. Principalmente porque somos mulheres e nos entendemos até por telepatia. Com certeza eu não conseguiria ser irmã de um homem.

Somos completamente diferentes e ao mesmo tempo tão iguais. E, apesar de mais velha, eu muitas vezes me espelho nela, na sua capacidade de ser amiga de todo mundo, como é comunicativa, em seu dom com crianças, como se joga de cabeça em tudo o que quer e não desiste facilmente (é teimosa a bixinha!), quão boa artista é… canta, dança, interpreta e logo logo vai arrasar com os instrumentos. Tem o temperamento forte, imponente e até mesmo explosivo, mas doce e sensível como o perfume e toque de uma flor. O cabelo cacheado lindo de morrer, capaz de causar inveja até na Ísis Valaverde. O nariz perfeitinho. Os olhos castanhos tão claros que precisam de uns minutinhos no sol ou uma lágrima para ficarem verdes.

Sister, o aniversário é seu, mas quem merece mesmo os parabéns é o Senhor, por ter criado tão adorável coisinha. Todos os seus dons, toda sua habilidade são presentes que o Senhor te deu e está aperfeiçoando a cada dia. Nunca os deixe de lado. Nós vivemos nos alfinetando, mas somos mais unidas do que… Ai não consegui imaginar nada que conseguisse fazer uma alusão perfeita da nossa unidade, my bad!

Já me meti em muitas brigas por você. Se preciso for, me meterei em muitas outras. Vou até o fim do mundo por você, sis. Tudo o que quero é te ver feliz, curtindo sua vida e cada momento dela. Você fica brava quando pego no seu pé e é até clichê, mas não quero que você perca nada do que a adolescência tem a te oferecer. Acredite, ela passa mais rápido do que desejamos. Estamos sempre muito preocupadas em crescer logo e acabamos esquecendo de viver o presente ao máximo.

Seja sábia. Aproveite. Principalmente o que o Senhor tem a te ensinar agora. Não seja aquela que precisa errar para aprender, mas a que aprende com os erros dos outros. Seja humilde de coração, nunca orgulhosa demais para reconhecer o erro e pedir perdão. O Senhor não resiste a um coração quebrantado.

Te amo muito, ‘pequena grande irmã’!

Beijo enorme,

sua Big Sis ♥